Banner Top

Estação Ferroviária de Campos Altos

 

Estação Ferroviária de Campos Altos Acervo: Departamento de Cultura

        A Estação foi inaugurada, em 1912, pela Estrada de Ferro Goiás, cujo objetivo era ligar Formiga, centro-oeste mineiro, a Catalão, no sudeste goiano. Foi construída, nas terras que pertenciam à fazenda Palestina, com características arquitetônicas bastante simples e despojadas, era o próprio símbolo da modernidade que chegava à região.

         O primeiro nome recebido pela edificação fora “Urubu” uma clara alusão a Serra do Urubu, localizada próxima à linha férrea. Em 1920, o trecho entre formiga e Paracatu foi escampado pela Ferrovia Oeste de Minas, com esta mudança administrativa, devido às características geográficas da região, predomínio de campos de altitude, a estação foi rebatizada de Campos Altos.

       Entre 1920 e 1924, o imóvel passou por reformas e acréscimos, ao seu lado foi construído um edifício maior, em estilo art-decó, movimento que priorizava os desenhos geométricos, retilíneos e uso do concreto. Após a ampliação, o primeiro prédio foi relegado a funções secundárias, já o segundo abrigou em seu interior por várias décadas a bilheteria, telégrafo e o escritório do chefe da estação. Em volta do complexo ferroviário, construíram barracões, casas de operários, estabelecimentos comerciais, com destaque para as residências do Mestre de Linha e do ilustre Dr. Luiz Coelho de Souza.

       O distrito araxaense de São Pedro de Alcântara, em 1924, é emancipado politicamente, alterando seu nome para Ibiá. Nessa ocasião, o núcleo urbano próximo à estação passa ser um dos povoados de tal localidade. Em 1938 foi elevado a categoria de distrito e em dezembro de 1943 foi criado o município de Campos Altos, sendo instalado em primeiro de janeiro de 1944 . O processo de urbanização e emancipação política provocou a formação de novos logradouros públicos. Ao lado do imóvel ferroviário foi edificada a Praça Benedito Valadares, rua Dr. Getúlio Portela. Assim em apenas 30 anos, a Estação Ferroviária de Campos Altos deu origem à cidade e ao município.

       Enquanto predominou o transporte ferroviário no Brasil, a estação era movimentada pelo transporte de passageiros e cargas, tornou-se um emblema da identidade cívica municipal. As paradas militares, as fanfarras, a banda de música, os palanques de campanhas eleitorais, associava-se a imagem do monumento, fazendo dali um ponto preferencial da mobilização política. Além disso, é testemunha de tempo em que o apito dos trens causava alvoroço na cidade. Desembarcavam na estação as máquinas mais modernas da manufatura do café, os filmes exibidos no cinema, os materiais de construção, os visitantes ilustres, as notícias dos grandes centros, as cartas dos familiares. Partiam dela o café, a produção agrícola da região, os filhos da cidade, as encomendas, a esperança de uma vida melhor.

       Nas décadas de 1970 e 1980, a ferrovia entrou em decadência, culminando com o fim do transporte de passageiros. Com a retirada do telégrafo, a estação de Campos Altos perdeu toda a sua função original, mobiliário, além de sofrer algumas alterações internas. Em 1996, foi arrendada a FCA (Ferrovia Centro-Atlântica) que a utiliza como mero depósito, afastando-a da convivência com a população local. Entretanto o bem tombado continua como o principal marco histórico para os campos altenses.

Estação Ferroviária de Campos Altos Fotografia: Floriana Gaspar / 2009

Estação Ferroviária de Campos Altos Fotografia: Floriana Gaspar / 2010

Localização da Estação Ferroviária de Campos Altos

Email: cultura@camposaltos.mg.gov.br

Telefone: (37) 3426-9120